Inteligência Regulatória para monitoramento do governo

o sistema regulatório brasileiroAcompanhar o complexo sistema regulatório brasileiro é um dos principais desafios para as empresas nacionais.

Monitorar agências reguladoras, autarquias, órgãos e instituições que controlam a atuação do setor privado, colhendo as informações necessárias para coordenar as operações em conformidade exige tempo e dinheiro.

No entanto, mais do que realizar um controle de movimentações do governo, é preciso analisar e gerar insights para toda a organização a partir dos cenários identificados.

 

Aposte em Inteligência Regulatória

A possibilidade de ter o melhor monitoramento das ações governamentais começa com a utilização da Inteligência Regulatória.

Controlar e monitorar as determinações governamentais e explorar de forma inteligente as informações extraídas das interações com o governo, é uma habilidade que pode antecipar possíveis prejuízos e otimizar tomadas de decisões, por exemplo.

A Inteligência Regulatória leva você a saber exatamente o que é preciso monitorar e os impactos que isso pode ser na sua empresa.

O melhor caminho é conhecer os diferentes tipos de controle que o governo realiza perante as normas e regras do País, a partir dos ministérios, dos órgãos que criam (e determinam) as leis que serão publicadas e das agências reguladoras. Com a expertise de profissionais de inteligência é possível encontrar com maior agilidade as informações certas para o seu negócio.

Contar com um corpo de profissionais qualificados em regulação também é uma forma de melhorar o monitoramento.

Uma equipe capacitada permite que as empresas antecipem qualquer ação governamental ao construir um bom relacionamento com o governo e monitorem as movimentações realizadas pelas agências reguladoras, otimizando o trabalho de busca por retornos assertivos para o seu negócio.

Essa prática ocorre, normalmente, por meio de um setor dentro da empresa que trata dos Assuntos Regulatórios, que tem como atribuição dialogar com os órgãos competentes e interpretar  as normas publicadas pelo Diário Oficial da União, buscando menores prejuízos ou até mesmo vantagens comerciais.

3

 

 

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Plugar nas redes sociais